Das carnes mais baratas: Indagações sobre a travestilidade e o pink money

Autores

  • Otto Stenke Sinigaglia Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP
  • Marcelo Ricardo Prata Universidade Federal Fluminense

Resumo

Resumo

O presente artigo pretende levantar a discussão sobre travestilidade, pink money e o Serviço Social. A análise da relação da população travesti e transexual com o capital se faz importante para que entendamos o agravamento das demandas apresentadas ao Serviço Social por essa população. Para ascender socialmente e ser respeitados, para a sua inclusão nos meios sociais e para a tão desejada aceitação social, o fator financeiro serve necessariamente como escada para os indivíduos desse grupo. O pink money perpassa por várias relações sociais e situações distintas: vai desde a readequação corporal de travestis e transexuais até o uso das identidades trans por marcas, produtos e artistas, ressaltando diferentes elementos socioculturais que contribuem para a cristalização e normatização dos corpos. A categoria gênero nos permite compreender as relações sociais em torno dos sexos e suas diferenciações e valores. A discussão sobre gênero, transexualidade e pink money se faz importante para o Serviço Social, tendo em vista que a(o) assistente social interferirá diretamente sobre as questões sociais acarretadas pelo capital e sobre o corpo vendido como mercadoria.

Palavras-chave: Serviço Social. Pink Money. Gênero. Travestilidade.

Abstract

This article intends to raise the discussion on transvestility, pink money and Social Work. The analysis of the relationship between the transvestite and transsexual population with capital is important for us to understand the worsening demands presented to Social Work by this population. In order to ascend socially and be respected, for their inclusion in social media and for the much-desired social acceptance, the financial factor necessarily serves as a ladder for individuals in this group. Pink money runs through various social relationships and different situations: it ranges from the body readjustment of transvestites and transsexuals to the use of trans identities by brands, products and artists, highlighting different socio-cultural elements that contribute to the crystallization and standardization of bodies. The gender category allows us to understand the social relationships around the sexes and their differences and values. The discussion about gender, transsexuality and pink money is important for Social Work, considering that the social worker will directly interfere on the social issues caused by capital and on the body sold as merchandise.

Keywords: Social Services. Pink Money. Gender. Transvestility.

Resumen

El presente artículo pretende discutir la travestilidad, el pink money y el Trabajo Social. El análisis de la relación de la población travesti y transexual con el capital es importante para que se entienda el incremento de las demandas presentadas al Trabajo Social por esa población. Para ascender socialmente y ser respetados, para su inclusión en los medios sociales y para la tan deseada aceptación social, el factor financiero sirve necesariamente como un peldaño para los individuos de ese grupo. El pink money se instaura en diferentes relaciones y situaciones sociales distintas: desde la adecuación corporal de travestis y transexuales hasta el uso de las identidades trans por marcas, productos y artistas, lo que pone en evidencia valores socioculturales que contribuyen con la cristalización y la normalización de los cuerpos. La categoría género nos permite comprender las relaciones sociales alrededor de los sexos y sus diferenciaciones y valores. La discusión sobre género, transexualidad y pink money se hace importante para el Trabajo Social, por cuanto el trabajador social interfiere directamente sobre las cuestiones sociales producidas por el capital y sobre el cuerpo vendido como mercancía.

Palabras-clave: Trabajo Social. Pink Money. Género. Travestilidad.

Biografia do Autor

Otto Stenke Sinigaglia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP

Assistente Social da Prefeitura Municipal de São Paulo, e Mestrando do Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social (PUC-SP)

Marcelo Ricardo Prata, Universidade Federal Fluminense

Assistente Social, Mestre em Serviço Social e Doutorando em Politica Social (UFF)

Downloads

Publicado

2020-07-24

Como Citar

SINIGAGLIA, O. S.; PRATA, M. R. Das carnes mais baratas: Indagações sobre a travestilidade e o pink money. Humanidades em Perspectivas, [S. l.], v. 2, n. 3, 2020. Disponível em: https://revistasuninter.com/revista-humanidades/index.php/revista-humanidades/article/view/12. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos