Alienação parental na interface da psicologia e do direito

Autores

  • Isabella Andreola Augusto Uninter/UFPR
  • Daniel Corteline Scherer PUC-PR

Resumo

Com a atualização da Classificação Internacional das Doenças (CID-11) pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a alienação parental integrou o rol de doenças padronizadas mundialmente, cujas estatísticas resultam em/de fenômenos biopsicossociais. Para além da análise clínica realizada sobre a Síndrome da Alienação Parental, as implicações jurídicas também se evidenciam no campo da pesquisa social enquanto matéria de grande estima. Nesse sentido, o presente estudo busca conhecer as sobreposições entre o Direito e a Psicologia, a partir do Direito da Família no contexto da alienação parental, para aproximar-se de esclarecimentos e respostas às provocações que desta matéria emergem.

Palavras-chave: psicologia; direito; alienação parental.

Abstract

With the International Classification of Diseases (ICD-11) update by the World Health Organization (WHO), parental alienation has integrated the list of standardized diseases worldwide, whose statistics result from/in biopsychosocial phenomena. Besides the clinical analysis carried out on the Parental Alienation Syndrome, the legal implications are also evident in the field of social research as a highly esteemed matter. This study seeks to know the overlaps between Law and Psychology, starting from family law in the context of parental alienation, to approach clarifications and answers to the provocations that emerge from this matter.

Keywords: psychology; law; parental alienation.

Resumen

Con la actualización de la Clasificación Internacional de Enfermedades (CIE-11) por la Organización Mundial de la Salud (OMS), la alienación parental pasó a integrar el listado de enfermedades estandarizadas mundialmente, cuyas estadísticas resultan en/de fenómenos biopsíquicosociales. Más allá del análisis clínico realizado sobre el Síndrome de Alienación Parental, las implicaciones jurídicas también se hacen evidentes en el campo de la investigación social como tema de gran relevancia. En ese sentido, el presente estudio trata de conocer las superposiciones entre el Derecho y la Psicología, a partir del Derecho de la Familia en el contexto de la alienación parental, para acercarse a aclaraciones y respuestas a las cuestiones que de esa materia surgen.

Palabras-clave: psicología; derecho; alienación parental.

Biografia do Autor

Isabella Andreola Augusto, Uninter/UFPR

Bacharel em Serviço Social pela Universidade Federal do Paraná; Aluna do curso de Direito no Centro Universitário Internacional (Uninter); Pós-Graduanda em Questão Social pela Perspectiva Interdisciplinar na Universidade Federal do Paraná.

Daniel Corteline Scherer, PUC-PR

Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2012).

Referências

AMARAL, Francisco. Direito civil: introdução. São Paulo: Saraiva, 2018.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2001.

BRASIL. Lei nº 6.515, de 26 de dezembro de 1977. Regula os casos de dissolução da sociedade conjugal e do casamento, seus efeitos e respectivos processos, e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 1977. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6515.htm. Acesso em: 09 jun. 2022.

BRASIL. Lei nº 8069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 09 jun. 2022.

BRASIL. Lei nº 12.318, de 26 de agosto de 2010. Dispõe sobre a alienação parental e altera o art. 236 da Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12318.htm#:~:text=Assegurar%2Dse%2D%C3%A1%20%C3%A0%20crian%C3%A7a,juiz%20para%20acompanhamento%20das%20visitas. Acesso em: 20 maio 2022.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução nº 14, de 20 de dezembro de 2000. Institui o título profissional de Especialista em Psicologia e dispõe sobre normas e procedimentos para seu registro. Brasília: CFP, 2000.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução nº 2, de 10 de março de 2001. Altera e regulamenta a Resolução CFP no 014/00 que institui o título profissional de especialista em psicologia e o respectivo registro nos Conselhos Regionais. Brasília: CFP, 2001.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução nº 13, de 1 de junho de 2007. Institui a Consolidação das Resoluções relativas ao Título Profissional de Especialista em Psicologia e dispõe sobre normas e procedimentos para seu registro. Brasília: CPF, 2007.

CORRÊA, Marise Soares. A história e o discurso da lei: o discurso antecede à história. 2009. 929 f. Tese (Doutorado em História) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Porto Alegre, 2009.

CUNHA, J. A. Fundamentos do psicodiagnóstico. In: CUNHA, J. A. Psicodiagnóstico-R. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FERNANDES, M. A. O trabalho do psicólogo junto ao sistema penitenciário: tratamento penal. Aletheia, Canoas-RS, n. 7, p. 41-49, 1998.

GARDNER, Richard A.M.D. O DSM-IV tem equivalente para o diagnóstico de Síndrome de Alienação Parental (SAP)? Nova Iorque: Departamento de Psiquiatria Infantil da Faculdade de Medicina e Cirurgia da Universidade de Columbia, 2002.

GUILHERMANO, J.F. Alienação parental: aspectos jurídicos e psíquicos. 2012. Disponível em: http://www.pucrs.br/direito/wp-content/uploads/sites/11/2018/09/juliana_guilhermano.pdf. Acesso em: 09 jun. 2022.

HUSS, Matthew T. Psicologia forense: pesquisa, prática clínica e aplicações. Porto Alegre: Artmed, 2011.

LAGO, Vivian de Medeiros et al. Um breve histórico da psicologia jurídica no Brasil e seus campos de atuação. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 4, n. 26, p. 483-491, out. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/estpsi/a/NrH5sNNptd4mdxy6sS9yCMM/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 09 jun. 2022.

ONU Brasil. OMS publica versão final da nova Classificação Internacional de Doenças. 2022. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/172116-oms-publica-versao-final-da-nova-classificacao-internacional-de-doencas#:~:text=Sobre%20a%20CID%2D11%20%2D%20A,dicion%C3%A1rios%20de%20dados%20para%20Diretrizes. Acesso em: 20 maio 2022.

PODEVYN, François. Síndrome de alienação parental. Tradução Apase. São Paulo: Apase, 2001.

ROVINSKI, S. L. R. La psicología jurídica en Brasil. In: URRA, J. Tratado de psicología forense. Madrid: Siglo Veintiuno de España Editores, 2002. p. 661-665.

SANTOS, Carolina Rocha dos; SILVA, Diogo Severino Ramos da. Alienação parental e o papel da perícia multidisciplinar no judiciário brasileiro. Derecho y Cambio Social, Lima - Perú, n. 56, p. 245-259, 1 abr. 2019.

SOUZA, André Peixoto de; SCHERER, Daniel Corteline. Psicologia jurídica. Curitiba: Intersaberes, 2020.

Downloads

Publicado

2023-01-26

Como Citar

ANDREOLA AUGUSTO, I.; CORTELINE SCHERER, D. Alienação parental na interface da psicologia e do direito. Humanidades em Perspectivas, [S. l.], v. 4, n. 9, p. 63–75, 2023. Disponível em: https://revistasuninter.com/revista-humanidades/index.php/revista-humanidades/article/view/189. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos