Movimentos sociais e democracia: o movimento negro no Brasil

Autores

  • Diana de Fátima Albissú Uninter
  • Carlos Alberto Simioni

Resumo

A escravidão é uma grande mancha na história da humanidade, pois onde esteve presente trouxe dor, exploração e desigualdade. Implantada no Brasil pelos colonizadores portugueses, a mão de obra escrava foi o pilar da economia e o alicerce na construção da nação brasileira. O fim da escravidão no Brasil se deu de forma desorganizada, sem nenhum tipo de amparo ou reparação à população negra, que se viu excluída da sociedade. Com seus direitos básicos negados e totalmente desamparados pelo Estado, os negros perceberam que somente unidos teriam chance de conquistar seus direitos e serem inseridos na sociedade. Através dessa união surgiram movimentos de resistência e luta que culminaram na formação do Movimento Negro Brasileiro. A sua luta por direitos básicos, formou as mais variadas bandeiras, para a construção de políticas públicas que correspondessem aos anseios da população negra. Além de criar pautas para a garantia de direitos, o movimento necessita defender as políticas públicas existentes e conscientizar uma parcela da população brasileira que, além de levantar debates inflamados contra as bandeiras do movimento, ainda se sente indignada com cada política pública conquistada. Para compreendermos como surgiram as pautas do movimento negro no Brasil, a sua formação como movimento, a ineficiência do Estado em cumprir as políticas públicas, o racismo estrutural de nossa sociedade e quais políticas públicas realmente atendem as suas demandas, realizamos este artigo. Usamos como metodologia de pesquisa a revisão bibliográfica, feita em livros e artigos. Depois de explanação sobre o início da escravidão no Brasil, de descrição da história do surgimento do movimento negro e análise das políticas públicas, podemos perceber que muitas das bandeiras do movimento negro, mesmo após anos de luta, ainda não estão contempladas nas leis e políticas públicas. Constata-se que há dificuldade em seu cumprimento e que o caminho para amenizar nossa dívida histórica com a população negra está longe de ser concluída.

Palavras-chave: bandeiras sociais; políticas públicas; racismo histórico; escravidão; desigualdade.

Abstract

Slavery is a stain on human history because it brought pain, exploitation and inequality. Established in Brazil by Portuguese colonizers, slave labor was the pillar of the economy and the foundation to construct the Brazilian nation. In Brazil, the end of slavery occurred disorderly, without any support or reparation for the black population, which was excluded from society. With their fundamental rights denied and totally abandoned by the State, blacks realized that only united they would have a chance to conquer their rights and be included in society. Through this union, resistance and struggle movements emerged that culminated in the formation of the Black Brazilian Movement. Its fight for fundamental rights formed the most varied banners for the construction of public policies that corresponded to the aspirations of the black population. In addition to creating guidelines to guarantee their rights, the movement needs to defend existing public policies and raise awareness among a portion of the Brazilian population who, in addition to raising heated debates against the movement's banners, still feel indignant with each public policy achieved. In order to understand how the agendas of the black movement emerged in Brazil, its formation as a movement, the State's inefficiency in complying with public policies, the structural racism of our society and which public policies really meet its demands, we carry out this article. We use as a research methodology the bibliographic review, carried out in books and articles. After explaining the beginning of slavery in Brazil, describing the history of the emergence of the black movement and analyzing public policies, we can observe that many of the banners of the black movement, even after years of struggle, are still not covered in laws and policies public services. It can be noted that there is difficulty in complying with it and that the path to alleviating our historical debt to the black population is far from complete.

Keywords: social banners; public policy; historical racism; slavery; inequality.

Resumen

La esclavitud es una gran mancha en la historia de la humanidad, pues en donde estuvo presente trajo dolor, explotación y desigualdad. Implantada en Brasil por los colonizadores portugueses, la mano de obra esclava fue el pilar de la economía y la base de la construcción de la nación brasileña. El fin de la esclavitud se produjo de forma desorganizada, sin ningún tipo de apoyo o reparación a la población negra, que se vio excluida de la sociedad. Con sus derechos básicos negados y totalmente desamparados por el Estado, los negros percibieron que solamente unidos tendrían la posibilidad de conquistar derechos y ser aceptados en la sociedad. A partir de esa unión surgen movimientos de resistencia y lucha que culminaron en la formación del Movimiento Negro Brasileño. Su lucha por derechos básicos produjo distintas banderas de lucha, para la construcción de políticas públicas que correspondieran a sus necesidades. Además de crear líneas para la garantía de derechos, el movimiento precisa defender las políticas públicas existentes y crear consciencia en parte de la población brasileña que, además de levantar voces inflamadas contra las banderas del movimiento, se siente indignada con cada política pública conquistada. Para entender cómo surgieron las líneas de acción del movimiento negro en Brasil, su formación como movimiento, la ineficiencia del Estado en el cumplimiento de las políticas públicas, el racismo estructural de nuestra sociedad y cuáles políticas públicas realmente responden a sus necesidades, realizamos este artículo. Como metodología de investigación usamos la revisión bibliográfica, hecha en libros y artículos. Luego de exposición sobre el inicio de la esclavitud en Brasil, de descripción de la historia del movimiento negro y análisis de las políticas públicas, podemos percibir que muchas de las banderas del movimiento negro, aun después de tantos años de lucha, todavía no están contempladas en leyes y políticas públicas. Se constata que hay dificultad en su cumplimiento y que el camino para disminuir nuestra deuda histórica con la población negra está lejos de terminar.

Palabras-clave: banderas sociales; políticas públicas; racismo histórico; esclavitud; desigualdad.

Biografia do Autor

Diana de Fátima Albissú, Uninter

Bacharel em Ciências Políticas.

Carlos Alberto Simioni

Doutor em Meio Ambiente e Desenvolvimento, UFPR; Mestre em Sociologia, UFPR; Graduado em Ciências Sociais, UFPR. Professor dos cursos de Ciência Política e Relações Internacionais no Centro Universitário Internacional UNINTER.

Referências

AMARAL, S. P. do. História do negro no Brasil. Módulo 2. Brasília: Ministério da Educação. Secretária de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; Salvador: Centro de Estudos Afro Orientais, 2011.

BRASIL. Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2003.

DOMINGUES, P. Movimento Negro no Brasil: alguns apontamentos históricos. Tempo, Niterói – RJ, v. 12, n. 23, p. 100-122, 2007.

DOMINGUES, P. “Vai ficar tudo preto”: Monteiro Lopes e a cor na política. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 95, p. 59-81, 2013.

FIGUEIREDO, Â. Perspectivas e contribuições das organizações de mulheres negras e feministas negras contra o racismo e sexismo na sociedade brasileira. Rev. Direito Prax., Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p.1080-1099, jun. 2018.

NUNES, C. O conceito de movimento social em debate: dos anos 60 até a atualidade. Sociologia, Problema e Práticas, Lisboa, v. 75, p. 131-147, 2014.

SILVÉRIO, R. V. Ação afirmativa e combate ao racismo institucional no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 117, p. 219-246, nov. 2002.

SILVÉRIO, R. V; TRINIDAD, T. C. Há algo novo a se dizer sobre as relações raciais no Brasil contemporâneo? Educ.Soc., Campinas, v. 33 n. 120, p. 891-914, set. 2012.

Downloads

Publicado

2021-12-16

Como Citar

ALBISSÚ, D. de F.; SIMIONI, C. A. . Movimentos sociais e democracia: o movimento negro no Brasil. Humanidades em Perspectivas, [S. l.], v. 3, n. 7, p. 35–52, 2021. Disponível em: https://revistasuninter.com/revista-humanidades/index.php/revista-humanidades/article/view/154. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)